Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

DJMAG Brasil: BRASILIDADE: PLUS BEAT’Z REMIXA EXU CAVEIRA, DE XERXES X

Parte de coletânea lançada pela Queer Music Factory, o remix feito pelo Plus Beat’Z traz a sua assinatura Tech House.

BRASILIDADE: PLUS BEAT’Z REMIXA EXU CAVEIRA, DE XERXES X

Primeiramente existe um ditado popular que diz que ter quantidade não é ter qualidade. Sendo assim, ele não faz sentido para o Plus Beat’Z, que apresenta seu décimo lançamento em 2020 com mais do que a mistura entre Techno e House para mostrar.

Antes de tudo, com muita originalidade o Plus Beat’Z remixou a faixa Exu Caveira para a coletânea “Exu Caveira Remixes” lançada pela Queer Music Factory, que, como o nome diz reúne remixes da faixa original, Exu Caveira, de Xerxes X, lançada em fevereiro pela mesma gravadora. O maranhense de São Luís radicado em Sampa que atende pelo codinome artístico de “Xerxes X”, tem entre suas atribuições profissionais e artísticas queer performer, cantor, compositor, bem como gerente da Queer Music Factory, gravadora responsável pelo terceiro lançamento do projeto Laroiê, que consiste em músicas umbandistas em arranjos eletrônicos. Exu Caveira, sobretudo, é um compilado do que se chamam de pontos de Exu presentes nos rituais de Umbanda na linha de esquerda que saúda os Exus e Pombogira, segundo o próprio Xerxes X.

Muito interessante essa mistura, pois todo o universo Queer existe em simbiose total com a música eletrônica desde os primórdios dos anos 80 em Chicago, Detroit, Londres e tantas outras cidades onde a liberdade e a diversidade sexual, especialmente LGBTQ – marcaram presença não só na música mas nas artes plásticas e tantas outras formas de expressão artística. Com Exu Caveira, a Queer Music Factory consegue criar o link de todo esse universo com elementos culturais, étnicos, tanto quanto históricos e que marcam o que conhecemos como Brasil.

Exu caveira e sua originalidade

Original é o mínimo que se pode dizer deste projeto que tem tudo de Brasil, de negritude, de misticismo e de dança, que nada mais é do que um ritual. É ou não é? O desafio de imprimir a identidade do Plus Beat’Z numa faixa tão exclusiva foi aceito sem problemas pelo que se percebe.

Em depoimento exclusivo a DJ Mag Brasil, Xerxes X comentou o remix do Plus Beat’Z:

Primeiramente o remix do duo Plus Beat’Z caminha por uma sonoridade cheia de elementos da Original Mix, com a estética dos produtores do remix que tornaram a faixa palpável para as mais diversas pistas. É um remix versátil que acima de tudo, cabe bem para diversos momentos. Serve para se arrumar para a noite, tanto quanto, se jogar no meio dela. É uma crescente constante. É a junção da percussão brasileira com a produção eletrônica direta e certeira necessária para fazer uma pista ferver.

Xerxes X
Plus Beat’Z também compartilhou o seu pensamento

“Trabalhar em um remix como este nos traz muita alegria. Conseguimos trabalhar com elementos brasileiros e presentes em nossa identidade musical, aliados ao Tech House que realmente gostamos e nosso público se identifica muito. Sendo assim a mescla dos ritmos tem muita energia e não nos deixa parados nunca, fazendo em qualquer situação, querer dançar, pular e girar! Em suma os resultados e feedbacks do nosso público tem nos contagiado para esses ritmos mais brasileiros e exclusivos.

Anereu Bighetti – Plus Beat’Z

Antes de tudo, não se pode deixar de mencionar que trabalhar com pessoas que tem a energia positiva, como Xerxes e o DJ Papaya, facilita muito. A vibração do Xerxes e seu trabalho rítmico nos apetece muito e com certeza pode trazer muitos frutos legais para o futuro. Esse mercado do batuque, do xangô, do ziriguidum já faz parte da Plus Beat’Z. Queremos trazer cada dia mais para bom e velho Tech House, criando verdadeiramente o Tech House com espírito brasileiro.

Tcharles Bighetti – Plus Beat’Z

A coletânea lançada no último dia 13. Conta também com remixes feito por DJ Papaya em suas versões Funk Dub e Techneira. Está disponível para os DJS no Beatport e Traxsource além do Spotify, veja aqui.

Fonte: DJMAG Brasil
Por: Nazen Carneiro